O Menino e o Mundo, de Alê Abreu

Menino_Mundo_08

Brinquedos coloridos como brinde de uma alimentação hidrogenada, crianças sendo usadas para fazer sorridentes propagandas de bancos, escolas que oferecem aos pais vigilância total de seus filhos, meninas de rosa e meninos de azul sendo criados atrás das grades de condomínios seguros. Nos muros, o murro. Não é fácil ser uma pequena pessoa em formação nesses dias de vitrines tinindo um mundo em que é preciso ter e trancar. E eis que diante de toda essa animosidade, Alê Abreu faz uma animação que nos enche de ar e de ideias. Como se fôssemos balões de hélio soltos na atmosfera, nessa alegria-airgela de entender que a nossa maior liberdade sempre será nossa consciência crítica. E sim, estou falando de um filme infantil.

Alê, que vem de um longo trabalho com animações (quatro curtas e um longa) sempre muito cientes e cronistas desse estado delicado de coisas e sistemas, nos entrega um filme nada menos que emocionante, com o perdão pela simplicidade da defesa. É que talvez os elogios precisem ser mesmo descomplicados para que possam ser consoantes com o filme em questão. Porque é no simples onde O Menino e o Mundo se torna requintado e grandioso. Faz isso partindo da história de um menino que foge de casa à procura de seu pai. Nesse caminho, vemos se descortinar a evolução de uma criança que vai achando ela mesma nessa busca pelo outro enquanto observa a alma do mundo adquirir uma estranha e gigante engenharia mecânica.

Poderíamos dizer que O Menino e o Mundo é quase como uma ilustrada e colorida introdução à história da Revolução Industrial e de como ela mudou valores e criou doutrinas. Ou que o filme é, na verdade, a busca inversa, dos adultos que estão procurando o menino que saiu de casa pra brincar e quando voltou já era gente grande cheia de deveres e metas e prazos. De um jeito ou de outro, é uma animação bastante delicada em conduzir tudo isso que parece sério demais “aos olhos de uma criança”, como diz a música de Emicida no subir dos créditos finais. Uma criança que, como todas as outras, ainda guarda em si a estimulante aventura que é descobrir tudo pela primeira vez.

Com esses dois personagens centrais, o Menino e o Mundo, o roteiro coloca em relevo as diferenças entre o que há de mais orgânico, intuitivo e desbravador (Menino) e o que existe de mais automático, programado e conformado (Mundo). E a simplicidade desse argumento se reproduz na imagem e no som do filme.

Com um desenho a princípio minimalista, Alê Abreu usa de um efeito caleidoscópico já visto em seu primeiro longa, O Garoto Cósmico, para desdobrar cenários de poucos elementos visuais numa crescente de imagens que, à medida em que o filme passa, vão se tornando cada vez mais sofisticadas e cheias de detalhes. No momento em que o Menino vislumbra a grande cidade, o desenho que vemos é soberbo, porém frio. Sem saber, já temos um pouco de saudade daquele traço na folha em branco, com apenas alguns pontos coloridos que davam conta das coisas mais substanciais e necessárias tal como uma nota musical.

E a música. Eis aí o elemento afetivo mais essencial para a construção dessa narrativa. Com uma trilha soberba (trabalho de Ruben Feffer e Gustavo Kurlat), O Menino e o Mundo se tece na ideia de que pode estar numa música a nossa memória mais profunda de família, infância, liberdade. Entra assim em cena outra substância da ordem do “simples”: a flauta. O instrumento que desde sempre foi usado como iniciação musical nos introduz aqui às notas que vão acompanhar esse Menino na sua viagem em busca do pai e de algo que ele e nós só vamos descobrir no caminho.

Praticamente sem diálogos, e quando eles são falados as palavras são ditas de trás pra frente (um lembrete de que somos nós quem vivemos às avessas), o longa de Alê Abreu é um filme que intriga e anima, por mecanismos distintos, crianças e adultos. Fazendo uso das palavras que dançam pela música-tema dessa história, não estarei errada em afirmar que este é um belo trabalho feito com muita airgela adiv aigrene açrof roma zap edadrebil zov edatnov. E que você não vai achar o bonequinho desse filme no McLanche Feliz mais próximo. Adnia meb!

Abaixo, o clipe com a música composta por Emicida nos créditos finais e algumas das incríveis imagens do longa.

Anúncios

comente-me camaleoa

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s